quinta-feira, 4 de julho de 2013

A musa da madrugada


Um clarão explodiu na madrugada
Rasgo as frestas da janela e irrompe
Afugenta a escuridão em debanda
E meus confusos sonhos interrompe

Assustado,rijo,tenso,aparvalhado
Acobertar o rosto tento;impossível!
Meus braços estão inertes,travados
Meu corpo jaz congelado,impassível

De olhos cerrados permaneço,silente
...e assimilo,aguçando os sentidos,
Um odor leve invadindo o ambiente
Traz o aroma de um pomar florido

Lentamente,a ansiedade desvanece
Com o perfume de laranjeira em flor.
Num arrepio,meu corpo se aquece
E se solta daquele estacado torpor

Abro os olhos e observo,obstúpido
Numa densa névoa branca,azulada
Um semblante diáfano,translúcido
Espectro de um anjo,duende,fada?!

E o som que do nada surge?!Eclodindo
Harmônicos acordes em Mi,Lá,Ré,Sol?
Arrebatado fico,deslumbrado ouvindo
A linda sonata de Strauss em Mi bemol!

...e aquela aparição remove seu disfarce!
É a linda musa que me encanta e fascina,
Inspira,insinua e potencializa esta catarse.
Transformaste minha vida!É VOCÊ menina!
(Zanthon d'Alencar)

José Antonio de Alencar
{Zanthon d'Alencar}-(Taubaté-SP)
-Economista,depois de 45 anos dedicados a números,cálculos e fórmulas frias e vazias de sentimento humano,despertou sob as asas do anjo IEHUIAH e,inspirado por ele,começou a se interessar pela música e poesia.
E-mail:igalencar@uol.com.br

Poesias Encantadas V
Antologia Poética Nacional
Editora* Legis Summa

Nenhum comentário:

Postar um comentário