sexta-feira, 1 de maio de 2015

O Segredo da Noite

Neste instante já não sou nada,
somente corpo, boca, pele,
pêlos, línguas, bocas. 
E a vida brota da semente,
dos poucos segundos de êxtase.
Tuas mãos como um brinquedo
passeiam pelo meu corpo.

Não revelam segredos
desvendam apenas o pudor do mundo,
descobrem a febre dos animais.
Então nos tornamos um
ao mesmo tempo em que
a escuridão explode em festa.

A noite amanhece sem versos,
com a música do seu hálito ofegante.
O sol brota de dentro de mim.
Breves segundos.
Por alguns instantes dispo-me do sofrimento.

Eu fui feliz.
Claudia Marczak

Nenhum comentário:

Postar um comentário