sábado, 29 de abril de 2017

Ártemis


Também conhecida como Diana, a caçadora, Ártemis é o símbolo da mulher emancipada e dos movimentos feministas. Ela é irmã gêmea de Apolo, deus das artes e, posteriormente, associado ao sol.

Talvez por isso Ártemis carregue na sua simbologia a lua, sendo os irmãos o par primordial, sol e lua.


“É a virgem mitológica, junto com Palas Atena. 
Não significa que ela não terá relação com homens, 
mas que ela nunca será possuída por ninguém."


Ártemis é do tipo “eu não preciso de ninguém”. Ela se sente completa sem um homem ao seu lado, e o arco e flecha, as armas que carrega, simbolizam a habilidade de se concentrar em uma meta e alcançá-la (a carreira, por exemplo) sem se perturbar com os concorrentes.

Ártemis resolveu viver nos bosques, sem vínculo nenhum com qualquer homem, depois que presenciou a dor de sua mãe no parto do irmão. Como sempre, Zeus deu uma de suas saidinhas e engravidou Leto, que é mãe de Ártemis e Apolo. Ártemis nasceu antes de Apolo, com a missão de ajudar a mãe no parto do irmão, já que todos estavam escondidos da ira de Hera.

Por isso, Ártemis era invocada na Grécia antiga na hora do parto.

Talvez por ter vivido ao lado do irmão, Ártemis tenha sempre exigido a igualdade de direitos – uma luta feminista em todos os países. É apontada como o oposto de Afrodite no Dicionário dos Símbolos, da editora José Olympio.

Ártemis possui um lado instintivo muito forte, o que aparece em diversas representações da deusa, sempre acompanhada por um cachorro e da presença do símbolo da lua. Ao contrário de Palas Atena, a deusa da racionalidade, que anda sempre com longas vestes, Ártemis usa apenas uma simples túnica, significando sua leveza e velocidade, pois era uma caçadora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário